Merda em terceira pessoa

Jandão era um cara doidão que morava em um apartamento igualmente doidão na periferia de Belo Horizonte e vivia entre bares e prostíbulos do centro. Certo dia, dando asas a uma viagem torta, bateu nele a fissura de comer o cu de uma puta bunduda. E tinha que ser no sofá da sala. Era isso ou nada. Ele tinha que comer o cu de uma puta bunduda no sofá da sala naquele dia.

Levando em consideração que Jandão estava sozinho no apartamento, ele só precisava de uns 100 contos para a puta e mais uma mixaria para a gasolina. Feito. Separou a vaselina e a camisinha na mesa de centro da sala, passou a mão na grana e rumou para a Afonso Pena ver o que tinha de interessante naquela quinta-feira à noite.

Existe um lado da avenida para as putas e outro para os travestis. Subindo na pista das meninas, logo no começo da captura, debruça uma baixinha na janela do carro e pergunta o que Jandão estava procurando. Apesar dela ser magrinha e sem bunda, ele respondeu:

– Hoje eu estou na fissura de comer um cu, mas quero uma bunda grande que encaixa. Sua amiga ali faz?

Do outro lado da calçada estava Lila, uma “cavala” com a bunda do tamanho do mundo, usando short jeans e top. Lila tem o que Jandão chama de “bunda de três tempos”. É um estilo de bunda feminina que balança em três tempos enquanto a mulher anda. O primeiro tempo da nádega direita é quando o pé direito pisa no chão. O segundo tempo é quando o pé direito sai do chão, impulsionando o corpo para o próximo passo. E o terceiro tempo é quando o mesmo pé direito está no ar e a nádega direita está firme sem a influência do andar da mulher. O mesmo para a nádega esquerda. Dependendo do ritmo do andar, do salto usado no sapato, e da consistência da bunda, o resultado pode ser uma bunda que se move em quiáltera terciária, a simetria perfeita da bunda. Pode deixar que depois o Jandão faz um gráfico para explicar melhor.

Com mulheres do estilo de Lila, a cavala, o segredo é o seguinte: colocar ela de quatro e socar tudo sem dó. Era muita mulher para ficar só brincando de entra-e-sai. Tem que socar forte, rápido e durante muito tempo. E Jandão queria uma daquelas.

Negociação concluída. Preço, serviço, local e tempo de programa definidos pelos envolvidos. Potranca rebocada para o abate. No caminho, ainda no carro, Jandão disse que era para começar a marcar o tempo com um esfera-felino para chegar em casa no grau e começar a sessão.

Já em casa, com tudo separadinho nos conformes, a rabuda já foi tirando o short surrado e deitando no sofá. Jandão disse para ela ficar e quatro, já separando a vaselina. Depois foi só encapar o bicho e mandar ver no grande rabo.

Depois de umas belas metidas no cu da puta, Jandão decide mudar de posição e tira o pau do furico por uns instantes. Foi o suficiente para vir um jato de merda saindo do cu da puta, infestando a barriga e uma parte da perna de Jandão, que não segurou a onda e vomitou nas costas da puta cagona. A puta cagona, agora cheia de merda e vômito, também não segurou a onda e vomitou no chão da sala. Depois disso, vomitando como loucos pela casa afora, Lila e Jandão foram até o banheiro tomar banho. De banho tomado, o casal foi embora e deixou a sujeira toda lá.

Lila perguntou:

– Jandão, você não vai limpar isso?

– Porra nenhuma. Amanhã chamo alguém para resolver essa porcaria que você fez. Vou dormir na rua. Tá afim de tomar uma cerveja?

Foram tomar uma cerveja rápida e Jandão dormiu na rua. No outro dia, conforme combinado, o barbudo escroto contratou alguém para limpar tudo. E depois de tudo limpo, percebeu que, na noite anterior, tinha separado, no lugar da vaselina, xilocaína, usada na última tatoo de uma amiga e deixada ali por engano. Isso explica por quê o cu da piranha bunduda ficou frouxo e lambrecou Jandão todo. A xilocaína anestesiou as pregas dela e ela não conseguia travar mais o cu. Elementar, meu caro Watson.

Baseado em uma história escrota que o Alexandre Frota contou para o João Gordo e jura que não aconteceu com ele. Foi com um “amigo”.
Anúncios
Esse post foi publicado em Eu odeio categorias. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Merda em terceira pessoa

  1. Paulo disse:

    Sensacional, Jandão hah a hah ah a

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s